Moleskando

Partiu!

Se já é vergonha para mim, que moro há 3 anos em Itajaí, não conhecer o parque do Atalaia, imagina para o Roberto que é peixeiro nativo!!!

A tia dele certo dia comentou deste lugar, onde ela fazia caminhadas (não sei como. A poeirada é demais!) e dizia ser incrível. Resolvemos ir em um sábado de manhã e não fazíamos nem ideia de como chegar. Aliás, as placas são bem confusas para localizar o local exato da entrada do morro, mas o Roberto defensor da cidade vai discordar, com certeza.

Enfim, deixamos o carro no estacionamento do parque e fomos até o topo do morro com o jipe de lá que levam os turistas até o alto. A vista é linda e tem um mirante bem legal para ver toda a cidade e fazer muitas fotos. O único problema é que para descer temos que esperar o próximo jipe subir, e como não tem muita coisa para fazer por lá, alguns minutos podem parecer horas. 

Nós nos escolhemos como família, convivemos diariamente por 4 anos, e mesmo afastadas pelo mesmo tempo de convívio, quando nos vemos ou falamos é exatamente igual.

Ela casou, eu me mudei, ela ganhou mais um cachorro, eu comecei a namorar, ela mudou de área, eu consegui um emprego, ela mudou de casa, eu mudei de cidade. Ao mesmo tempo que tudo mudou, nada mudou e só nos entendemos o que isso significa.

Não importa o tempo, a distância, os acasos e problemas, é para ela que eu corro e por ela que eu fico. Que ela seja feliz e linda como ela sempre foi e sempre será. Sou amiga, madrinha, amiga, irmã e amiga. 3 vezes amiga para ser na mesma intensidade de tudo que vivemos e passamos juntas.

Tenho sorte em te ter na minha vida.

45 Bakery é a doceria mais charmosa de Itajaí. Apesar de pequenininha, é encantadora, tem um ar retrô, a decoração é super fofa e o cupcake Red Velvet é de comer rezando! 

São Francisco do Sul

Se precisar a gente briga, chora, volta mais uma vez. Separa, namora e casa outra vez…

Os melhores finais de semana são ao teu lado.

Floripar já virou verbo! 

A terra da magia é meu lugar preferido do estado para comer, passear, comprar e se divertir (desculpa Blumenau!).

SÃO PAULO - O GRANDE DIA!

Como bons torcedores que somos, quando ficamos sabendo que justamente no fim de semana que estaríamos em São Paulo nossos times se enfrentariam no Morumbi, consideramos um sinal (e dos bons!).

O estádio estava cheio e rolou uma briga entre torcedores do São Paulo, mas nem isso nos desanimou. Ficamos na torcida da casa em um espaço bem familiar. Haviam vários casais, crianças e até idosos, algo bem diferente do que vemos na TV. Não sei se rola isso em outros estádios, mas o Morumbi é impecável: limpinho, cadeiras separadas, o tio da água passa todo segundo e no fim do jogo as torcidas tem saídas separadas e não se cruzam neste trajeto. Sério, fiquei impressionada e não vejo a hora de ir em outro (do lado da minha torcida, claro). Aliás, meu time é algo de outro mundo. Eles cantam e berram do começo ao fim, sem nem um segundo de folga, mesmo estando com apenas 5% do estádio reservado para eles!

O único, porém grande, problema da tarde foi a saída. Como as ruas estavam fechadas por policiais e torcedores, encontrar um táxi foi algo quase impossível, e os que apareciam já estavam cheios. Quando finalmente encontramos um, o cara era corinthiano e ainda soltou para o Roberto: “pior do que perder é quase ganhar”. Isso porque o jogo acabou no 0x0 e no finalzinho do jogo o São Paulo ganhou um penalti que foi cobrado (péssimamente) pelo ídolo mór dele, Rogério Ceni, que decepcionou. 

Enfim, quero mais, quero outro e quero logo! São Paulo x Corinthians é mito e vale muuuuuuuuuuuuito a pena.

São Paulo - 2º Dia

Acordamos cedo no segundo dia para conhecer o famoso bairro da liberdade em São Paulo. Fui cheia de animação mas com pouca indicação de lojas, o que me frustrou um pouco!

Pegamos o metrô cedinho, tomamos um café rápido no próprio bairro e partimos às compras e ao dia de turista. O bairro é uma graça, mas as ruas, calçadas e até faixadas de prédios estão bem precários, mas tudo isso não tira o encanto do lugar. Aliás tem um templo bem legal no meio da cidade onde vendem várias comidas tradicionais do japão e tem uma estrutura bem diferente tanto por fora quanto por dentro (parece um labirinto).  

Quando chegamos na famosa feirinha de domingo já haviam bastante pessoas por lá, e quando fomos embora uma multidão já dominava o lugar! Acabei comprando algumas comidinhas, um origami de decoração para a minha mãe e um treco de fazer penteado para minha amiga.

image

image

image

image

Na volta para o hotel resolvemos almoçar no shopping Morumbi (que é na frente) e fomos no The Fifties almoçar. Já havíamos ido uma vez depois de ler vários elogios ao lugar e a sua maionese caseira.

O Roberto não acha tudo aquilo que dizem, mas eu adoro e indico!

http://thefifties.com.br/

image

image

São Paulo - 1º dia

Nossa viagem a São Paulo foi em outubro, mas desde janeiro já estávamos com os ingressos comprados para um festival de música (WROS). Neste meio tempo uma amiga minha foi transferida para a cidade da garoa e desde janeiro havíamos combinado de fazer algo por lá.

Estávamos tão empolgados com o passeio e com a quantidade de coisas que há para fazer e conhecer na cidade que no meio do ano já estávamos decididos a não ir ao show para aproveitar ainda mais a cidade. No fim era o destino, pois na semana do festival, os shows foram cancelados e ao que tudo indica, não seremos ressarcidos tão cedo. Mas essa é outra história, afinal com ou sem show, São Paulo continua oferecendo MILHARES de opções aos turistas e moradores.

Pousamos em Viracopos (Campinas) e fomos com o ônibus da companhia até o shopping Eldorado. De lá, fomos até o hotel de metrô e me sinto na obrigação de dizer: os metrôs são seguros, baratos, organizados e nos finais de semana são super tranqüilos (leia-se: conseguimos sentar em todas as rotas que fizemos durante o fim de semana). Claro que se você vai pegar um metrô às 7 da manhã de uma segunda-feira e vai andar de bolsa aberta, não só vai como merece o que vai te acontecer!

Ficamos no hotel Ibis Budget no Morumbi para ficar mais próximo do estádio do São Paulo, já que o jogo do domingo fazia parte da nossa programação. O hotel é ok com preço justo, mas o fato de não ter telefone no quarto, qualquer problema (no nosso caso foi o ar condicionado) que ocorra você é obrigado a descer para resolver.

Depois de fazer check in e almoçar no shopping Morumbi, pegamos um taxi para o estádio, pois precisávamos retirar os ingressos do jogo. Achei meio absurdo não existir um metrô para o estádio e não ter como retirar os ingressos comprados pela internet no dia do clássico, mas como sou corinthiana pode ser apenas implicância. Fomos conhecer o estádio, tiramos algumas fotos e visitamos a loja do time. Infelizmente não deu tempo de fazermos o tour pelo estádio (além de ser 30 reais, o passeio levava 1 hora e meia, o que atrasaria o que já havíamos programado), mas ainda assim haviam muitas pessoas lá, principalmente crianças, já que era 12 de outubro.

image

image

image

Do estádio partimos para o shopping JK Iguatemi, onde passamos o resto da tarde. O shopping é lindo e as lojas são incríveis, mas já estávamos super cansados e voltamos um pouco mais cedo para descansar antes de jantar com minha amiga e o namorado. Minha amiga indicou o Lellis Trattoria (da Rua Bela Cintra) e então marcamos de nos encontrar lá às 20:00, com medo de pegar muita fila. A comida de lá é ótima, a decoração é linda mas o mais charmoso são 3 homens que cantam e tocam músicas italianas nas mesas (é demais!). No meio de tantas conversas a Ana (minha amiga) me deu um kinder ovo de dia das crianças (o presentinho era uma coelha) e ainda nos convidou para experimentar a sorveteria italiana que tinha ao lado e desde que demos a primeira colherada no tal sorvete não pensamos em outra coisa a não ser nele e no porque não existe aqui em SC: Baccio di Latte. Peguei os sabores de nutella e de doce de leite e posso garantir que não existe nada parecido. A sorveteria é tão boa e famosa que existem 7 franquias em SP e todas têm muito movimento. Comprovamos pelo fato de que já havia passado das 11 da noite e ainda assim o local estava cheio!

image

image

image

image

image

image

image

Até essa parte da viagem as dicas são: vá de metrô, visite o Morumbi, coma na Lellis Trattoria e conheça a Baccio di Latte!

Não dá para tratar Bombinhas como uma cidade de passeio, já que meus pais moram por lá e este trajeto é nossa rota duas vezes por mês, mas mesmo assim a cidade merece ser lembrada. No inverno o lugar vira cidade fantasma e no verão é um caos, então é sempre bom se programar e já ir preparado para um dos casos.

No inverno somos quase sócios do Vila Brazzille, que é um bar com música ao vivo muito bom da cidade. Fica na praia de Bombas, tem a melhor piña colada da região e a comida é demais (mas ainda estamos inconformados com o bolinho de carne seca com banana que saiu do cardápio).  

No verão o atrativo da cidade são as praias: Canto Grande, Mariscal, Quatro Ilhas, Sepultura, Lagoinha, Zimbros, entre outras. Sou fã da lagoinha e da sepultura, mas ir lá na fase janeiro/dezembro é dor de cabeça na certa, tanto pela falta de estacionamento, quanto pelo transito para chegar até lá.

Sou suspeita a falar de lá pois adoro Bombas e a casa dos meus pais é meu refúgio no verão. Até o Roberto, que não é muito íntimo do sol, fica horas na piscina. O combo churrasco do pai + maionese da mãe + piscina + família + cervejinha + amigos + sol é o motivo de eu contar os dias para a chegada do verão!

Quem gosta de frutos do mar tem que conhecer o Restaurante Cesar. Sempre que vamos lá comemos o combinado de frutos do mar. Uma vez trouxeram o combinado de camarão por engano e também estava ótimo (o Roberto prefere esse!).

A cidade peca em não ter muito entretenimento mesmo no verão. Mesmo com várias lojas (abertas até beeeem tarde) e um “shopping” que só abre na temporada, a falta do que fazer às vezes nos perturba. Quem não gosta muito de praia já deve ir avisado e preparado, até porque as cabines que fornecem internet são uma facada e muitas vezes tem filas gigantescas para utilizar.

É isso. Mesmo com alguns pontos negativos, a cidade continua sendo linda e valendo o passeio. Sou do time pró Bombinhas e recomendo muito a visita!